Notícias

Voltar
Dia Internacional da Mulher: As mulheres são centrais para a transformação da Energia em África
8 de Março
Dia Internacional da Mulher: As mulheres são centrais para a transformação da Energia em África
Fiona Lamb and Marion Davis

A África subsaariana está a mudar muito rapidamente. Novas infraestruturas, o desenvolvimento económico e a urbanização estão a transformar a sociedade. A pobreza está em declínio e a classe média está a crescer. No entanto, dois terços da população - mais de 600 milhões de pessoas - ainda não têm acesso à electricidade, e mais de 700 milhões cozinham com biomassa tradicional: madeira, carvão, estrume e resíduos agrícolas. Com o aumento da população, é esperado que o número de utilizadores de biomassa tradicional suba para 880 milhões até 2020, de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE).
 

Como é isto possível? Em certa medida, isso reflecte uma luta mais ampla para atender às necessidades energéticas do continente africano. A partir de 2013, a capacidade de potência total instalada na África foi de 147 GW - aproximadamente o mesmo que na Bélgica, ou o que a China instala a cada ano ou dois, de acordo com o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD). Mas os governos também têm priorizado a energia para a mineração, a indústria e outros investimentos de grande escala. Assim, mesmo com os esforços de electrificação maciça em curso, o BAD ainda espera que metade da população da África subsaariana terá falta de energia eléctrica em 2030. E embora muitos países tenham promovido fogões limpos e soluções de energia doméstica off-grid, a escala desses esforços é muito mais modesta.

É altura de reconhecer que a modernização da energia doméstica é fundamental para o desenvolvimento do continente africano - e isso significa trazer as mulheres à mesa das negociações.


Leia o artigo completo em inglês.
 

Fiona Lamb e Marion Davis, Stockholm Environment Institute (Sei) 

Fotografia @ Flickr / Russ Keyte