Notícias

Voltar
“Crescer no escuro - uma geração sem energia”
15 de Janeiro de 2016
“Crescer no escuro - uma geração sem energia”
Colin Waugh

Enquanto a nação regressa lentamente ao trabalho num ambiente económico mais moderado do que há um ou dois anos atrás, para aqueles que estão envolvidos nos negócios, construção e no sector mineiro, assim como para os recém-chegados que identificam o potencial de investimento em Moçambique, um das suas primeiras preocupações será, mais uma vez, assegurar o fornecimento adequado de energia eléctrica para as suas futuras necessidades.

 

Os Moçambicanos, especialmente aqueles que residem no centro e norte do país conhecem esta história muito bem. No ano passado por volta desta altura as condições meteorológicas severas, cortaram a maior parte da província de Nampula por quase um mês com impactos devastadores em ambas as economias regionais e nacionais.

 

Empresas-base, como fábricas de cimento e de tijolos, minas e outras instalações da indústria extractiva ainda são alimentadas por geradores que queimam combustível caro que é transportado por todo o país; Agora, este ano, operadores das empresas, bem como os cidadãos comuns no centro de Moçambique acostumaram-se ao corte de energia iminente, pelo atraso considerável nos trabalhos essenciais de acutalização das duas centrais da região. As estações de energia nas barragens de Chicamba e Mavuzi no rio Revue, que datam da era colonial têm estado a ser operadas com equipamento que está agora obsoleto.

 

Estas paralisações programadas para implementar as actualizações irão causar reduções de fornecimento aos habitantes das províncias de Sofala e Manica, incluindo os cidadãos das cidades da Beira e Chimoio. A reabilitação das estações de energia Chicamba e Mavuzi começaram em Janeiro de 2014, e a conclusão está prevista para Outubro de 2016.

 

Solar, um raio de esperança num horizonte sombrio

 

Nos últimos anos, a EDM de Moçambique tem feito grandes progressos em estender a sua rede nacional para a maioria dos distritos em todas as províncias do país. No entanto, mais uma vez, este pode ter chegado a um custo de obter mais energia para os centros populacionais e empresariais que estão dispostos a pagar e que pode financiar o fornecimento extra às taxas de mercado.

 

Em vez de meticulosamente procurar ampliar as linhas de fornecimento de energia tradicionais trazendo a rede a cada posto rural e aldeia, uma outra abordagem, novamente a partir de outros lugares em África tem sido a de ignorar a totalidade da rede e instalar unidades solares individuais off-grid que respondam a uma necessidade personalizada.

 

A África do Sul é o líder continental na instalação e ligação de unidades solares individuais para viagens de negócios e de geração de energia residencial; seja para on ou off-grid, o financiamento está a ser disponibilizado através de subsídios governamentais, empréstimos à habitação e bancos como o Nedbank, que tem uma divisão financeira dedicada ao solar. Enquanto isso, M-Kopa, uma empresa queniana, está a expandir-se por toda a África Oriental a vender os seus sistemas de baterias movidas a energia solar que contêm uma tocha e um carregador de telemóvel. O financiamento está disponível: Os clientes estão a receber empréstimos para comprá-los; reembolsos são feitos através de dinheiro móvel.

 

Em suma, há opções para países como Moçambique com necessidades urgentes de fornecimento de energia; Gerar energia e enviá-la ao longo de uma rede poderá melhorar a vida nas zonas rurais, mas fábricas, minas e moinhos necessitam de fornecimento de energia confiável em grande escala. Se países como Moçambique estão em desenvolvimento, centrais eléctricas serão necessárias e os incentivos e garantias certos deverão ser apresentados aos investidores, de outra forma a verba não será disponibilizada.

 

Preparar os clientes para pagarem as suas facturas de electricidade é apenas o começo. Dar ao sector privado a oportunidade de satisfazer uma procura crescente não deve ser encarado como algo transcendente, mas as empresas não irão investir até que o ambiente regulatório e financeiro ofereça uma oportunidade justa de reverem os seus investimentos como retorno do capital.

VER NOTÍCIA COMPLETA