Notícias

Voltar
contents/comunicationnews/img-20181114-wa0000.jpg
contents/comunicationnews/img-20181115-wa0000.jpg
contents/comunicationnews/img-20181115-wa0001.jpg
contents/comunicationnews/img-20181115-wa0002.jpg
contents/comunicationnews/img-20181115-wa0003.jpg
contents/comunicationnews/img-20181115-wa0004.jpg
contents/comunicationnews/img-20181115-wa0005.jpg
15 de Novembro de 2018
Electrificação rural através de mini-redes em Contuboel

Na Guiné-Bissau, apenas 2,6% da população tem acesso a electricidade de forma constante e 5,7% tem acesso a electricidade em intervalos irregulares. O acesso fiável à electricidade é uma pré-condição básica para melhorar a vida das pessoas, a saúde e a educação e possibilitar o crescimento da economia local.

Após um estudo de viabilidade, a Foundation Rural Energy Services (FRES) implementou em 2017 uma mini-rede fotovoltaica na vila de Contuboel, na região de Bafatá. Com uma potência de 100 kW e uma produção estimada de 200 MWh/ano este projecto contou com o apoio financeiro do Fundo para o Desenvolvimento Internacional da OPEC (OFID) e da União Europeia.

A solução técnica implementada consiste em 12 inversores para 4 bancos de baterias com 24 baterias cada, com uma capacidade total de 500 kWh e sistemas Multiclusters expansíveis até 36 inversores. O sistema produz energia 100% renovável e não tem geradores a diesel em backup, fornecendo electricidade aos seus clientes durante 14 horas diárias (10h-24h).

Em termos do modelo de gestão da central, o sistema é gerido pela FRES que mantém uma equipa instalada na central, em Contuboel, de forma a garantir o funcionamento e as operações de manutenção. Além do serviço técnico, no local funciona ainda o serviço de apoio aos clientes da central.

Com este projecto, a FRES conseguiu estabelecer uma mini-rede solar na aldeia de Contuboel, Guiné-Bissau para fornecer o acesso à electricidade a 440 residências, empresas e instituições comunitárias, apoiando assim actividades de uso produtivo e permitindo que a comunidade avance no desenvolvimento socioeconómico, tornando assim possível por exemplo a refrigeração de vacinas nos centros de saúde, a melhoria dos sistemas de irrigação e da preservação de alimentos com armazenamento refrigerado, a oferta de aulas nocturnas e a criação e expansão de negócios.

Mais informação sobre o projecto aqui.