Notícias

Voltar
contents/comunicationnews/img_3948_5083.jpg
contents/comunicationnews/img_4158.jpg
contents/comunicationnews/img_4022.jpg
contents/comunicationnews/img_3973.jpg
21 de Maio de 2018
Elevadas taxas de importação discutidas em Maputo

O Fórum de Energias e Desenvolvimento Sustentável de Moçambique (FEDESMO) através da LIVANINGO, KULIMA e ADEL-SOFALA, organizou um workshop de reflexão sobre o investimento em pequenos sistemas de energias limpas e renováveis, que teve lugar no dia 10 de Maio de 2018, em Maputo, Moçambique.

Este encontro teve por objectivo reflectir sobre as oportunidades e desafios para o investimento em pequenos sistemas de energias limpas e renováveis em Moçambique, nomeadamente a partilha de experiências entre os vários intervenientes sobre as políticas, estratégias e planos para a redução de taxas de importação dos equipamentos energéticos; contribuindo assim para a promoção do investimento nos recursos renováveis nas comunidades rurais em Moçambique.

 

O Presidente do FEDESMO, Hamid Taybo, lembrou que 75 por cento da população ainda não tem acesso à energia eléctrica e é por isso necessário encontrar alternativas para fazer face ao défice, o que passa pela instalação de sistemas fotovoltaicos, principalmente para regiões rurais.

 

Hamid Taybo acrescentou ainda que as taxas de importação de sistemas de energias renováveis e os respectivos acessórios, podem chegar até 30 por cento do preço de aquisição, o que faz com que estes cheguem ao mercado a preços não acessíveis à maioria da população.

 

O workshop contou com a presença de representantes da Sociedade Civil, Sector Privado, Academia, empresas de consultoria e Governo. O programa esteve dividido em dois painéis distintos, 1º Painel sobre a Expansão do mercado de energias sustentáveis em Moçambique, que abordou as questões da necessidade de expansão do mercado, o potencial energético e importância de energias sustentáveis para a economia de Moçambique, o 2º painel debateu a temática das Políticas de energias sustentáveis em Moçambique.

 

Fonte © FEDESMO