Notícias

Voltar
Primeira Central Fotovoltaica em Moçambique
7 de Junho de 2017
Primeira Central Fotovoltaica em Moçambique

A International Finance Corporation (IFC), um membro do Grupo do Banco Mundial, irá disponibilizar um pacote de financiamento de 55 milhões de dólares para a construção da primeira central de produção de energia solar de grande dimensão em Moçambique. Os fundos incluem 19 milhões de dólares da IFC, 19 milhões de dólares da Climate Investment Funds e um empréstimo de até 17 milhões de dólares.


O projecto de construção da Central Fotovoltaica de Mocuba mereceu especial destaque, principalmente devido aos benefícios sociais e económicos, para além do seu impacto ambiental e inovação que vai colocar Moçambique como um promotor de referência de energias renováveis.


Com uma capacidade de 40,5MW, a central vai melhorar a qualidade e aumento da disponibilidade de energia na região norte do país, permitindo a estabilização da rede de transporte e o incremento do número de clientes. O projecto público-privado será desenvolvido numa parceria entre a Scatec Solar, um produtor independente de energia baseado na Noruega, a agência financeira de desenvolvimento da Noruega – Norfund e pela Electricidade de Moçambique (EDM).  O financiamento está a ser mobilizado a partir do Fundo Africano de Infra-estruturas Emergentes, que apoia projectos do sector privado na África Subsaariana.

 

Mateus Magala, PCA da EDM, referiu que “a assinatura do financiamento de Mocuba é uma grande conquista para a EDM e para o sector de energia de Moçambique. A EDM gostaria de agradecer à Scatec Solar, Norfund, PIDG e IFC pela sua excelente cooperação e pelo trabalho árduo em acreditar e apoiar o projecto”.

 

“O nosso investimento na primeira central de produção de energia solar de grande dimensão em Moçambique reafirma o compromisso da IFC para a energia renovável em mercados emergentes”, disse o Director Residente da IFC, Jumoke Jagun-Dokunmu. “Existe um acesso limitado à energia em Moçambique, particularmente nas zonas rurais. Este investimento alargará o abastecimento de energia numa das regiões menos desenvolvidas do país e ao mesmo tempo ajudará também as infra-estruturas de energia e promoverá os investimentos directos estrangeiros numa altura importante”.

 

A energia produzida a partir da central será vendida à EDM como parte de um acordo com duração de 25 anos.

 

Leia o Comunicado completo aqui.