Notícias

Voltar
Directora Executiva da ALER em entrevista à revista Forbes África Lusófona
28 de Outubro de 2022
Directora Executiva da ALER em entrevista à revista Forbes África Lusófona

Isabel Cancela de Abreu, Directora Executiva da ALER, esteve à conversa com a Forbes África Lusófona onde falou sobre o percurso que a conduziu até ao momento de criação da ALER, sobre as principais actividades da associação e sobre o trabalho que tem sido desenvolvido ao longo dos anos, nomeadamente, junto das associações nacionais de Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe.

 

 Entre as diversas actividades que a ALER desenvolve junto dos países de acção, destaca-se nas palavras do jornalista “a distribuição de informação sobre o mercado, a conciliação dos desafios, com o enquadramento regulatório e da falta dele, a promoção do conteúdo local e dar voz ao sector privado são os grandes contributos da associação na criação de um mercado das energias renováveis na lusofonia, além de acompanhar a criação e a operacionalização das associações nacionais”.

 

Também o Programa de Energia Sustentável para Mulheres (PESM) é evidenciado, seja pelo trabalho desenvolvido na conquista do empoderamento feminino das mulheres do sector seja, até, pelos projectos que foram elaborados e apresentados pelas mulheres empreendedoras candidatas ao programa. 

 

“Tendo 12 delas submetido planos de negócio, com várias componentes, entre elas a social, cultural, conservação de alimentos, irrigação de espaços públicos."

 

Findo o PESM, "vamos [agora] tentar angariar financiamento para todos os projectos, porque são muito bons, em várias áreas". Precisamente para que seja possível concretizar os projectos de energias renováveis junto das comunidades locais das candidatas, foi criada uma plataforma de crowdfunding para apoio e procura de financiamento para cada projecto. Saiba mais aqui.

 

“A organização pretende, cada vez mais, incluir na sua estratégia de actuação o empoderamento feminino, o empreendedorismo e o nexo energia-água, esforçar-se para garantir as metas de 2030 e, depois, pensar no futuro.”

 

Leia a entrevista na íntegra, disponível aqui.