Notícias

Voltar
Electrificação rural em Moçambique: como encontrar as aldeias certas?
28 de Abril de 2021
Electrificação rural em Moçambique: como encontrar as aldeias certas?

Moçambique tem recursos abundantes para gerar energia limpa, acessível e sustentável.  Em 2011, as Nações Unidas lançaram a iniciativa Energia Sustentável para Todos (SE4All) para garantir o acesso universal até 2030 aos serviços energéticos modernos, duplicar a taxa global de melhoria da eficiência energética e duplicar a quota de energia renovável no mix global. Embora um vasto leque de argumentos socioeconómicos e ambientais sejam a favor dos sistemas de energias renováveis, as barreiras políticas e jurídicas, técnicas e financeiras ainda persistem.

 

O acesso à electricidade em Moçambique em 2018 foi estimado em 31,1%. No entanto, nas zonas rurais, esta taxa desce para 8,0% (Banco Mundial). Entretanto, em Novembro de 2018, o Governo de Moçambique lançou o Programa Nacional de Energia para Todos para alavancar o país para alcançar o acesso à energia até 2030. O programa dá prioridade à expansão e à densificação das redes, mas também considera o papel das soluções baseadas em energias renováveis, especialmente em áreas remotas.

 

O FUNAE, Fundo Nacional de Energia, está particularmente preocupado com esta questão. Com efeito, em conjunto com o Ministério da Energia e Recursos Minerais (MIREME) e a Empresa moçambicana de Electricidade (EDM), precisam de coordenar esforços no domínio da electrificação de forma a evitar duplicações. Enquanto a EDM trabalha na expansão e densificação da rede nacional, o FUNAE está mandatado para electrificar as áreas remotas com tecnologias fora da rede. Isto significa que é necessário reconhecer a presença uns dos outros no território nacional de forma a evitar trabalho nas mesmas áreas.

 

Até agora, o FUNAE conseguiu identificar os locais de electrificação fora da rede mais promissores, devido à sua presença generalizada a nível provincial. A abordagem padrão envolve trabalho de campo intensivo, com constante implementação dos escritórios da delegação e da sede na capital. No entanto, o risco continua a ser o de que esta abordagem não tenha em conta locais mais isolados e menos conhecidos pelo FUNAE e pelos seus parceiros.

 

Nesse sentido, através do projeto RERD2, a Enabel (Agência Belga de Desenvolvimento), como parceira do FUNAE, propôs, entre outras soluções, a utilização de tecnologias geoespaciais inovadoras (SIG) para  resolver o problema da disponibilidade de dados. Depois de analisar as melhores práticas noutros países, foi desenvolvido internamente um método que combina dados que estão disponíveis gratuitamente em grande escala com dados existentes na instituição. A ideia subjacente ao método proposto é simples:  em primeiro lugar, é identificada a localização da população e da rede eléctrica nacional existente e planeada. Isto permitirá filtrar as aldeias com populações grandes e densas tão longe da rede que dificilmente estarão ligadas à rede nacional num futuro previsível. Para o FUNAE, estes dois critérios (localização de aldeias e a rede nacional) são estratégicos. Depois de mapear com a maior precisão possível, ainda é possível concluir a análise através de referências cruzadas com outras informações, como a localização de escolas e centros de saúde, distância às grandes cidades, crescimento populacional, rendimento das famílias, potencial económico e potenciais utilizações produtivas da eletricidade.

 

Durante a aplicação da metodologia realizada recentemente em duas províncias, foram selecionados 14 locais de uma lista inicial de 53 apresentadas pelas delegações provinciais do FUNAE, tendo sido identificados 13 novos locais que não estavam incluídos nos planos de electrificação rural do FUNAE. A recolha de dados está agora em curso através de entrevistas telefónicas em todos os locais prioritários. O potencial das aldeias mais interessantes será verificado através de levantamentos de campo.

 

Em última análise, a metodologia acima descrita conduz não só a uma abordagem sistemática do planeamento da electrificação rural, mas também a uma redução do número de missões no local. Com efeito, estas missões são recursos-intensivos e podem ter um impacto significativo na disponibilidade de técnicos para outras tarefas. Além disso, o trabalho através deste método com as diferentes partes interessadas permitiu também abordar a questão da colaboração entre as diferentes instituições. Embora ainda haja trabalho a fazer neste domínio, trabalhar neste método constituiu um passo importante na sensibilização para a importância de uma maior colaboração no sector da energia.

Leia o artigo completo aqui.

A Enabel lançou em Março concurso para Concepção, Procurement e Construção de 5 mini-redes híbridas nas províncias da Zambézia e Nampula cujo prazo de recepção de propostas termina a 4 de Maio. Ver mais informação aqui.

 

Fonte e Imagem © ENABEL