Notícias

Voltar
O que acontecia ao mundo se reagisse às alterações climáticas como está a reagir ao coronavírus?
31 de Março de 2020
O que acontecia ao mundo se reagisse às alterações climáticas como está a reagir ao coronavírus?

Segundo a Fast Company, o coronavírus transformou a vida quotidiana de maneira tão significativa que os efeitos já são visíveis do espaço. Na China, onde centenas de milhões de pessoas foram colocadas em quarentena para ajudar a impedir a propagação da doença, fotos de satélite antes e depois mostram a poluição a desaparecer à medida que o trabalho parava. Nos EUA, à medida que o número de casos de coronavírus cresce rapidamente, as empresas pedem aos funcionários que trabalhem a partir de casa e cancelem conferências. As escolas cancelaram as aulas. Em Itália, outra quarentena maciça está a decorrer. As mudanças foram repentinas, impulsionadas pelo amplo reconhecimento de que é uma emergência de saúde pública e, embora a janela de oportunidade já esteja fechada, uma oportunidade de impedir que outra doença mortal como a gripe se torne um problema permanente.

 

A escala da resposta levanta outra questão: como seria se o mundo respondesse à crise climática com um senso de urgência semelhante? A resposta ao coronavírus pode não ter sido tão rápida quanto deveria; se o governo chinês tivesse agido mais rapidamente, o vírus poderia não se ter espalhado para outros países. E as tácticas autoritárias do governo chinês não deveriam e não poderiam ser seguidas noutras partes do mundo. Mas em países de todo o mundo, governos e cidadãos foram rápidos a mudar hábitos diários. O mesmo não aconteceu com a crise climática.

 

"Vimos que os governos podem agir e as pessoas podem mudar o seu comportamento, num período muito curto", diz May Boeve, directora executiva do grupo de defesa do clima 350.org. "E é exactamente isso que o movimento climático tem pedido aos governos e às pessoas que façam há já vários anos diante de um tipo diferente de ameaça - a crise climática - e não vemos acções proporcionais. Por um lado, mostra que é possível fazer isso e que esse tipo de mobilização de recursos ocorre num curto espaço de tempo. Nesse sentido, isso é encorajador. Mas nunca duvidámos desse aspecto. ” Em vez disso, May diz que era só uma questão de saber se havia vontade política para mudanças rápidas.

 

Leia o artigo completo aqui.

 

Fonte © Fast Company

Imagem © Lucas Sandor em Unsplash